Pular para o conteúdo principal

6 anos.

Olá querido blog, resolvi aparecer pra comemorar os 6 anos da sua existência.
Há 6 anos me sentia sufocada com todas as palavras que não conseguia colocar para fora. A única forma que encontrei de me sentir um pouco melhor, foi escrevendo... Foi colocando aqui, cada pedacinho de mim que havia se quebrado, se partido, se rompido...
Hoje estou inteira! Não preciso de mais ninguém, se não apenas de mim. Aprendi que se cai sete vezes, mas se levanta oito. Ainda não levo jeito pra despedidas e nem pra pontos finais, mas já não demonstro tanto meu interesse pra que a pessoa fique. To aos poucos me adaptando a essa nova fase de largar a intensidade, a ansiedade, o querer 100%. Sofri traumatismos cranianos minha vida inteira por mergulhar de cabeça em pessoas rasas, superficiais, e até sem sentimentos.. Pois é, ainda não sei se foi eu quem sempre senti demais, ou se sempre foi o resto do mundo quem sempre sentiu de menos.
Não vou mentir, ainda sou sensível, ainda sou um poço de ingenuidade quando o assunto é coração, mas não me sinto tão exposta, tão frágil, tão... tão... tão na vitrine de uma loja qualquer, esperando apenas que as pessoas passem, coloquem defeitos, reclamem de tudo, e vá embora.. Não compram. Não levam. Apenas passam por ela... Já passou esse momento! E espero que tenha passado pra sempre.
Ainda tenho umas recaídas. Ainda tem noites que passo algumas hora chorando, mas nada comparado há 6 anos atrás rs. Depois que descobri que quem tiver de ficar, vai ficar, deixei todos soltos. Livres. E olha só, até eu me libertei. Até eu estou solta. Só tenho medo de me perder... De não saber voltar...
Mas peraí, será que eu quero voltar? rs
Se meu desabafo não fosse confuso, não seria meu!

Comentários

  1. Gosto da forma que vc escreve <3

    ResponderExcluir
  2. " Pois é, ainda não sei se foi eu quem sempre senti demais, ou se sempre foi o resto do mundo quem sempre sentiu de menos "
    E eu sempre achei que a "idade" fosse me dar maturidade para descobrir isso, doce ilusão, doce ilusão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vou ficar bem.

Hoje doeu, tem doído até agora.
Ver que seu melhor não foi o suficiente não é algo normal de se superar. Eu to tentando. Juro que to!
As músicas que me machucam eu estou tentando ouvir menos... Você parece não se importar, está concentrado em sua vida e na quantidade de garotas que devem estar aos seus pés agora.
Pois é. Acho que acabamos. Não foi por falta de amor. Não da minha parte.
Tivemos muitas brigas, você era óleo e eu água, eu me esforcei ao máximo que pude pra tentar não brigarmos mais, mas você já estava cada vez mais, mais longe de mim... Mais distante, mais ausente da minha vida... Deve ter conhecido outra garota! Uma menos problemática, menos ansiosa, menos dramática, menos sentimental, uma garota... menos eu.  Menos tudo o que eu sou.
Sinto muito, por eu sentir muito. Sério, eu também não queria ser assim! É chato, é ruim, me corrói, me dói! Me destrói aos poucos...
Boatos dizem que você me traiu. Não sei bem o que lhe faltou, acho que a culpa não foi minha. Eu fiz de u…

Maldito.

E hoje foi mais um dia daqueles. Seria bom se só estivesse frio da porta pra fora. Chorei meados de uns longos 30 minutos. Coloquei pra ouvir a música mais triste que me veio na mente. O vazio me consumiu por inteira. Não resta mais nada aqui. Nada, além de uma doce saudade... Saudade dos teus olhos, das tuas mãos, do teu ser. Se eu não fosse tão louca, talvez, se eu não fosse eu... você teria ficado. Poderia ter ficado mais dez minutos ou então mais alguns dois ou três meses... Ta faltando uma parte de mim. Me sinto incompleta. O grito do silêncio tem estado no último volume que consegue atingir. A solidão me assola. Fui soterrada por tudo aquilo que queria falar, e não falei. Malditas, palavras não ditas. Maldita confusão de sentimentos. Maldito sorriso falso. Maldito coração em pedaços.