Pular para o conteúdo principal

Matar a dor.

                 

Eu tento. Eu juro que tento. De todas as maneiras possiveis. Mas parece que nada é o suficiente. Parece que eu nunca sou o suficiente. Nunca boa o bastante pra alguém. Excluida, esquisita, estranha e chorona, essa garota tem sentimentos. Nos quais muitos esquecem, e a deixam. Deixam ela sozinha, e ela com medo, pede ajuda a todos, e todos se recusam a ajuda-la. Ela corre, ela foge, ela faz de tudo pra sair daquele lugar onde a deixaram. Mas ela não consegue. Ela grita, ela se machuca, ela se corta, ela faz de tudo, pra fazer a dor de ser abandonada e trocada parar. Mas de nada tudo isso adianta. E ela sangra. Não por fora e sim por dentro. Sangra por estar solitária mais uma vez Por ninguém ter sentido sua falta.. E ver que quem mais amou nunca lhe amou da mesma maneira. E ela chora. Chora por medo. Por frio. Pelo simples motivo de querer um abraço e ninguém está ao lado para abraça-la. Ela faz do silencio da solidão todas as suas palavras. Palavras quais  choro e os soluços não a deixava falar. Palavras quais, a muito tempo ela queria dizer, queria gritar ao mundo. Mas as lágrimas que escorriam de seu rosto não deixava. E então ela as traduziu no silêncio da ausência das pessoas que ama. Das pessoas que prometeram nunca a deixar. Que disseram que ela, era perfeita e que nunca nada iria fazer ela perder seu brilho. Tais pessoas não mentiram quando disseram isso. Realmente ela não perdeu seu brilho. Ela o guardou. No mais profundo local de sua alma. E ao invés de brilhar por fora. Ela começou a brilhar por dentro. E mesmo machucada e ferida, ela sorria. E seu brilho cada vez ficava mais forte. Fazendo aquela menina assustada e perdida, ficar madura.
Ela tentou mais uma vez fugir de tudo aquilo. Mas não conseguiu de novo. Mas não desistiu. Mesmo tendo noites e noites de lágrimas, onde os únicos que viam essa sua dor, era seu travesseiro. No qual absorvia todo seu pranto. E quanto mais sentia sua dora, mais chorava, querendo fazer ela sair junto com suas lágrimas. Mas sim. Mais uma tentativa em vão. E presa no seu próprio mundo, ela não aguentou mais sua própria dor, e de amor e solidão, ela se suicidou.

(Alessandra Lima)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo

Eu me doei tanto pra você, que depois que você foi embora não sobrou nada de mim pra eu amar. Eu me quero de volta. Eu quero voltar pro meu lugar. Você me ofereceu seu bolo de vômito chamado amor e eu acreditei que aquilo era amor! Não me preocupei com o odor, a massa podre e nem com a dor.. que isso iria me causar! Você fazia com que minha grandeza, minha imposição se diminuisse até que eu me visse insegura na sua mão. Te vi me traindo, e como não quis ver eu te perdoei e fechei os olhos pra situação, te vi beijando outras bocas, e eu te perdoei, perdoei, perdoei e perdoei. Você como sempre com seu discurso pronto, já sabendo bem o que iria dizer quando eu fosse ao teu encontro: "Eu estava bebado, me desculpa", ou então manipulava a vítima, no caso eu, pra que eu sentisse toda culpa! Mas não, ele fez isso, pq eu fui muito ciumenta, ele não gosta de ser cobrado, eu devia respeitar, talvez se eu propor relacionamento aberto ele vá gostar e tudo vai melhorar... Menos pra mim, …

Maldito.

E hoje foi mais um dia daqueles. Seria bom se só estivesse frio da porta pra fora. Chorei meados de uns longos 30 minutos. Coloquei pra ouvir a música mais triste que me veio na mente. O vazio me consumiu por inteira. Não resta mais nada aqui. Nada, além de uma doce saudade... Saudade dos teus olhos, das tuas mãos, do teu ser. Se eu não fosse tão louca, talvez, se eu não fosse eu... você teria ficado. Poderia ter ficado mais dez minutos ou então mais alguns dois ou três meses... Ta faltando uma parte de mim. Me sinto incompleta. O grito do silêncio tem estado no último volume que consegue atingir. A solidão me assola. Fui soterrada por tudo aquilo que queria falar, e não falei. Malditas, palavras não ditas. Maldita confusão de sentimentos. Maldito sorriso falso. Maldito coração em pedaços.

6 anos.

Olá querido blog, resolvi aparecer pra comemorar os 6 anos da sua existência.
Há 6 anos me sentia sufocada com todas as palavras que não conseguia colocar para fora. A única forma que encontrei de me sentir um pouco melhor, foi escrevendo... Foi colocando aqui, cada pedacinho de mim que havia se quebrado, se partido, se rompido...
Hoje estou inteira! Não preciso de mais ninguém, se não apenas de mim. Aprendi que se cai sete vezes, mas se levanta oito. Ainda não levo jeito pra despedidas e nem pra pontos finais, mas já não demonstro tanto meu interesse pra que a pessoa fique. To aos poucos me adaptando a essa nova fase de largar a intensidade, a ansiedade, o querer 100%. Sofri traumatismos cranianos minha vida inteira por mergulhar de cabeça em pessoas rasas, superficiais, e até sem sentimentos.. Pois é, ainda não sei se foi eu quem sempre senti demais, ou se sempre foi o resto do mundo quem sempre sentiu de menos.
Não vou mentir, ainda sou sensível, ainda sou um poço de ingenuidade qu…